Indicadores de Juruti - Primeira Fase: Monitoramento 2009

Primeira Fase: Monitoramento 2009

Municípios do entorno

Uma das principais preocupações a partir da elaboração dos indicadores era a definição do território de monitoramento – ou seja, quais municípios também deveriam ser acompanhados pelos indicadores ao longo do tempo, além de Juruti. Para tanto, entre fevereiro e julho de 2009 a FGV conduziu uma ampla pesquisa documental e uma série de consultas durante as oficinas de trabalho para identificar quais municípios apresentam fluxos e trocas com Juruti, que poderiam ser afetados pelas mudanças na cidade.

A partir dos resultados, foi possível apontar dois grupos de municípios – um território de monitoramento e um de observação – que intensificaram sua relação com Juruti (ou mesmo iniciaram-na) a partir da chegada da Alcoa na cidade.

⇒ Território de Monitoramento: municípios cuja relação com Juruti se intensificou significativamente (grande fluxo de pessoas, mercadorias e serviços) ⇒ Óbidos, Oriximaná e Santarém

⇒ Território de Observação: municípios cuja relação com Juruti sofreu menos alterações, mas que merecem acompanhamento (mudanças mais difusas e menores, geralmente relacionadas à exploração mineral, a cursos profissionalizantes e ao fluxo de pessoas e mercadorias) ⇒ Alenquer, Faro, Itaituba, Parintins e Terra Santa

Saiba mais sobre o entorno aqui

Procedimentos de coleta de dados

A equipe da FGV procurou identificar junto aos atores locais os temas prioritários para o acompanhamento que seria feito por meio dos indicadores. A partir dos temas selecionados, o trabalho se concentrou na elaboração de métricas e de protocolos para a coleta de dados e a sua sistematização a partir dos indicadores. 

Os dados foram coletados a partir de uma variedade de fontes disponíveis, entre instituições locais, poder público (municipal, estadual e federal), e a comunidade. Para capacitar a população local e incentivar o seu envolvimento na aplicação da ferramenta foram realizadas oficinas de coleta de dados entre outubro de 2008 e julho de 2009. Os assuntos das oficinas foram participação social, pesca, agricultura e pecuária, conflitos socioambientais e infraestrutura das comunidades rurais.

 
Sistematização dos resultados

Em outubro de 2009, o primeiro monitoramento foi concluído, com o lançamento da publicação “Indicadores de Juruti – Monitoramento 2009” e do sistema na internet. Ao todo, mais de 158 informações foram sistematizadas e organizadas em 28 temas prioritários, que por sua vez foram distribuídos em três dimensões – Ser Humano e Sociedade, Economia e Infraestrutura, e Meio Ambiente. Para facilitar o entendimento dos indicadores e capacitar a população local para lidar com os dados e construir seus indicadores, também foram produzidas Fichas de Métricas, que trazem os caminhos de coleta de dados de cada uma das informações.